Poemas Inéditos: ‘Nada’ de Sara Farinha

Este é um cantinho virtual que se propõe a divulgar a Poesia, conhecida, menos conhecida e inédita.

Durante a próxima semana farei aqui o preâmbulo à celebração do Dia Internacional da Poesia, que se celebra no próximo dia 21 deste mês.

Este é um dos meus poemas. Espero que gostem e que vos motive a contribuírem com os vossos.

‘Nada’
 
Um tributo a este nada que sou,
Um monte de ossos e de carne,
Reminiscências do que vibrou
Tudo o que já passou, veio tarde.
 
Uma inexistência que ruma pela vida,
O nada, da absoluta absolvição,
Carregada pelo vento que sopra,
Do perdão que refuta, da ignorância do perdão.
 
Tolhida num altar de verdade,
Obsoleta e displicente,
O toque de saudade,
A sorte, nada benevolente.
 

Sara Farinha

ΩΩΩΩ

Comenta, Partilha, Contribui. Lê as condições na página ‘Divulgar a Poesia‘ e envia um e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sara Farinha com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s