‘No alto do promontório’ de Sara Farinha

No promontório me vi,promontório

A olhar o céu

No sítio de onde caí,

Nada brilhava de meu.

 

Do alto do nada,

Espreitei o local,

De onde nascera,

Espremera e morrera.

 

Tivesse asas, voltava,

Ali ao espaço.

O vazio que deixara,

Nadas em que me desfaço.

 

Pelo buraco passei

E nada deixei,

Erguessem-me até lá,

Voltaria onde fiquei.

 

Sara Farinha

ΩΩΩΩ

Gostaram deste poema? Então subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

Segue-me / Follow Me:

Contacta-me / E-mail me:

sara.farinha@sarafarinha.com

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sara Farinha com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s