‘Do Primeiro Dia veio a Noite’ de Emily Dickinson

Do Primeiro Dia veio a Noite –

Margarita Kareva

Margarita Kareva

E grata por uma coisa

Tão terrível – ter sido por mim suportada –

Disse à minha Alma que cantasse –

 

Ao que ela respondeu –

Que as Cordas lhe haviam saltado –

E o Arco – desfeito em pedaços

Deu-me por isso trabalho a repará-la

Até chegar uma nova Manhã –

 

E então – um Dia imenso –

Como um par de Ontens,

Revelou o seu horror no meu rosto –

Ao ponto de a visão me encobrir –

 

O meu Cérebro  – pôs-se a rir –

Balbuciei – como faz um idiota –

E mesmo passado tantos Anos – aquele Dia –

Continua a ressoar na minha Mente.

 

E coisa estranha – dentro –

Daquela pessoa que eu era –

Esta – não mais parece a mesma –

Seria Loucura – isto?

 

Emily Dickinson (1862)

ΩΩΩΩ

Gostaram deste poema? Então subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail.

Segue-me / Follow Me:

Contacta-me / E-mail me:

sara.farinha@sarafarinha.com

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Emily Dickinson com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixem aqui os vossos comentários ou enviem e-mail para: sara.g.farinha@gmail.com

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s