Arquivo da Categoria: Sara Farinha

‘Voltar atrás’ de Sara Farinha

Encontram todos os meus poemas publicados aqui… ΩΩΩΩ Gostaram deste poema? Então subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail. Segue-me / Follow Me:    Contacta-me / E-mail me: Anúncios

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

‘Ensinou-me a nadar’ de Sara Farinha

  ΩΩΩΩ Gostaram deste poema? Então subscrevam este blogue e recebam todas as novidades por e-mail. Segue-me / Follow Me:    Contacta-me / E-mail me:

Publicado em Sara Farinha, Uncategorized | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

‘Duas penas’ de Sara Farinha

Eram dois, em si, um só. Dois pássaros, duas penas, Duas açucenas. Um apenas, Duas metades obscenas. Apenas um, serás tu apenas? Duas rochas, duas pedras, Duas madalenas. O único, Duas partes, duas cenas. Compostas num, Juntas, apenas, Eram um, … Continuar a ler

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , , , , | 1 Comentário

‘No alto do promontório’ de Sara Farinha

No promontório me vi, A olhar o céu No sítio de onde caí, Nada brilhava de meu.   Do alto do nada, Espreitei o local, De onde nascera, Espremera e morrera.   Tivesse asas, voltava, Ali ao espaço. O vazio … Continuar a ler

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

‘Tudo passa…’ de Sara Farinha

Ar que se escapa Entre dedos, tudo se acaba Ar que se evapora Tudo é nó que se desata.   Passa o ar, entre dedos Tudo que se ata, desenlaça, Ventos feitos de medos, Esvoaça e escapa.   Ar que … Continuar a ler

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário

‘Say it no more’ de Sara Farinha

So many Goodbyes, Many Farewells, Some insights, Some dwells.    So many Goodbyes, Taught once again, So many Despite Brought in pain.   One more ending, Gave it in callousness, One in pretending All became less.   So many Never … Continuar a ler

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário

‘Novo dia’ de Sara Farinha

Novo dia, assim amanhece, Queixume de maravilhas, Luz que enaltece, Enlevado em demasia. Novo dia, devagar escurece, Num chorrilho de profecias, Onde está a benesse? Embalada em maresia. Oh, como gostaria, Provar essa luz que obscurece, Muda a vida… Como … Continuar a ler

Publicado em Sara Farinha | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário